terça-feira, 16 de dezembro de 2008

VIVENDO BEM COM O LÚPUS (II)

Alimentação
A alimentação fornece o combustível necessário para que o corpo execute suas funções normais. Seu corpo requer nutrientes balanceados. Dietas ricas em gordura devem ser evitadas, pois não são necessariamente nutritivas. Comer bem e com sapiência é essencial para se encontrar o bem-estar e viver bem. Não existem orientações específicas para a dieta de uma pessoa lúpica além da de cumprir uma dieta balanceada que inclua as quantidades apropriadas de cada grupo alimentar. Muitos estudos sobre o efeito das dietas nas doenças, identificaram 3 recomendações básicas para a saúde em geral:

- Uma dieta balanceada inclui uma variedade de alimentos, de todos os grupos alimentares. Comer alimentos pobres em gordura, ricos em fibras e menos requintados.
- Alimentar-se e exercitar-se para manter uma composição ideal do corpo: os corticóides normalmente aumentam o apetite e, há menos que você tenha cuidado, um ganho inesperado de peso pode ocorrer. Perceber que comer exageradamente é incompatível com um estilo de vida saudável já é um passo à frente para controlar o peso e praticar o bem-estar.
- Se você quer perder peso concentre-se em dois pontos: exercite-se mais e diminua a ingestão de gordura. Os exercícios aumentam a massa dos músculos de sustentação e amplia a capacidade do corpo de queimar gordura.

Como saber se você está ingerindo muita gordura? Registre tudo o que você comer num dia. Consulte um livro de nutrição (ou nutricionista) para determinar a sua ingestão de gordura e de calorias. A gordura não deve representar mais do que 30% do total de calorias ingeridas. Determine objetivos realistas de como você pode melhorar sua dieta. Seja paciente; mudanças nos hábitos alimentares levam tempo (semanas) antes que resultados sejam visíveis. Evite dietas que oferecem perdas milagrosas de peso. Aquelas que têm comprovação de pesquisas científicas e que são adotadas por vários especialistas têm mais chance de dar certo. Quando se trata de bem-estar, não existem soluções rápidas. As ações mais importantes que você pode tomar para manter o bem-estar físico inclui alimentação adequada, exercícios físicos e manutenção de seu peso em um nível apropriado.

O controle do estresse pode ser alcançado usando várias técnicas de auto-ajuda. O lúpus afeta muitos aspectos da vida de uma pessoas: relações íntimas e familiares, status vocacional, finanças, auto-estima, humor, moral e senso de controle pessoal. Controlar o estresse que ocorre nessas áreas pode ser uma batalha e, algumas vezes, confuso e embaraçoso. Estudos científicos mostram que pessoas que são ativas e que acreditam ter algum controle sobre suas vidas são mais saudáveis que aquelas pessoas passivas que acreditam serem vítimas indefesas.

A participação em um grupo de apoio pode fornecer ajuda social e emocional. Grupos de apoio também podem ajudar a desenvolver ou aprimorar suas habilidades de lidar com problemas, o que alivia alguma tensão de doenças crônicas. A participação em grupos de apoio eleva a auto-estima, moral e autoconfiança. Trabalhar para melhorar a comunicação entre paciente e médico é uma maneira de ajudar a pessoa a ganhar um senso de controle e diminuir o estresse. Isto pode ser conseguido da seguinte forma:
- prepare-se para a visita ao médico, fazendo uma lista de perguntas e um breve relato de problemas correntes.
- mantenha um diário médico.
- leve seus medicamentos com você.
- pergunte como e porquê um medicamento precisa ser tomado.
- se algum medicamento causar efeito colateral, avise seu médico.
- tenha por objetivo o entendimento das recomendações do seu médico. Você e ele são igualmente responsáveis por manter uma clara comunicação sobre sua saúde e seu bem-estar. O

Bem-estar do espírito
Quando uma pessoa é diagnosticada com uma doença crônica, isto pode ter um profundo efeito nos seus mais íntimos conceitos. É uma experiência emotiva sendo normal um certo período de aflição. Pessoas com lúpus freqüentemente passam por períodos de negação, raiva, medo, depressão, negociação e, finalmente, de aceitação, uma vez que eles passam a conviver melhor com o lúpus. Aceitar a doença e reorganizar a vida leva tempo. Permita-se sofrer pela perda da sua vida antes do lúpus, dessa forma você pode aceitar e definir melhor a sua vida com o lúpus.

O processo de redefinir quem você realmente é e os seus objetivos na vida normalmente é fácil. Às vezes se torna um pouco mais difícil devido à falta de informações sobre o lúpus. Entender o que é o lúpus e o que esperar de sua vida à partir daí pode diminuir o medo do desconhecido. Desenvolver um espírito orientado ao bem-estar é um processo que envolve tempo. Assim como no desenvolver do bem-estar do corpo, o planejamento é a chave para desenvolver o bem-estar do espírito. Este planejamento inclui adoção de uma atitude positiva desenvolvimento de uma paixão por alguma coisa fora de si mesmo, algo ao seu redor que pode dar um objetivo à sua vida.
"Esforçar-se para ser feliz" (Striving to be happy) nas palavra de Abraham Lincoln, "Muitas pessoas são felizes à medida que eles programam suas mentes para tal."

Uma maneira mais próspera de viver pode ser encontrada ao explorar quem você é, porquê você está aqui e o quê você pode fazer. Descobrir quem é você é uma coisa maravilhosa. Uma vez que em sua vida se forma um senso de finalidade, de propósito de viver, a mente, o corpo e seu estado geral de vida melhoram.

Resumo
O bem-estar é uma filosofia onde o indivíduo é responsável pelo desenvolvimento positivo da mente, do corpo e do espírito. É uma escolha consciente de buscar atitudes que melhoram e enriquecem a vida. O bem-estar requer que você desenvolva e use um plano baseado nas suas reais potencialidades. Um plano para alcançar o bem-estar inclui metas para aprimorar cada área: a mente -- através da ênfase em desenvolver atitudes positivas; o corpo -- através do cuidado com o condicionamento físico, alimentação e controle do estresse; e o espírito -- através de reflexões sobre a vida.

Como reconhecer uma pessoa que vive bem com o lúpus? Eles são indivíduos que se concentram em seus talentos e habilidades presentes. Você raramente vai ouvi-los lamentar sobre o que eram aptos a fazer antes da doença. Suas vidas com lúpus têm um novo significado. Fazer o melhor do presente e planejar para o futuro é o que é importante para eles. Pessoas que vivem bem com o lúpus entendem que opções e alternativas estão disponíveis para sua escolha.

Eles controlam suas vidas ao invés de deixarem o lúpus controlá-las. Eles tiveram sucesso ao passar pela aflição inicial, e poderão dizer-lhe que não é um caminho fácil. Através da aceitação, eles alcançaram o entendimento de que a vida não se resume ao lúpus, ele é apenas uma parte dela. Eles assumem responsabilidades pela sua saúde e pelo seu bem-estar e estão aptos a sair de si mesmos para ajudar outros.

Adotar um estilo de vida com bem-estar pode fazer a diferença entre apreciar a vida ou simplesmente sobreviver com o lúpus. A escolha é sua.

4 comentários:

Anônimo disse...

Rio, 14/12/08
Eu conheci a Êidina no fórum,virtualmente.Ela respondia tudo, sabia mil coisas que não sabíamos direito, e ela esclarecia. Aprendi bastante com ela. Ela despertou meu interesse sobre o assuntos que fatalmente estão presentes na minha vida e na dela. Por causa da Êidina passei a pesquisar e a ler mais sobre assuntos relacinados a minha saúde.
No dia que eu a conheci pessoalmente, fiquei impressionada porque eu não imaginava que ela fosse uma amazonense loirinha (de verdade).Eu achava que ela era tipo índia, aí quebrei a cara, né, Êidina.?
Êidina é uma pessoa bem legal, uma dvogada supimpa que apesar de não ser médica, sabe bastante sobre reumato, e asssim sabendo ela segue ajudando muita gente que necessita de mais que uma mãozinha, e isso já faz muito tempo. Ei, Êdinha, você sabe a quantas pessoas você já ajudou a fazer o tratamento correto? Tenho certeza de que não sabe porque são inúmeras, e você só sabe ajudar, mas não conta para todo mundo o que faz. Você sabe fazer a difrença. Parabéns!
Antonia Iannini

Adriana disse...

Gostei muito do que vc escreveu,ja fazem dois anos que vivo com o Lupus e sinceramente ñ é facil mais valeu pelas palavras escritas.

egles disse...

Estou em tratamento a dois anos e ainda estou aprendendo lidar com o lúpus, meu histórico é antigo, mas a descoberta é recente. Perdi um rim e luto pela sobrevivência do outro que insiste em me nocautear de tempo em tempo.
Estou fazendo a pulsoterapia,estou na 6ª sessão, no inicio do tratamento minha função renal era de 32% e hoje é de 57%.
Tive muito medo no começo, achei que fosse ficar careca e que fosse passar mal, meu cabelo não caiu e não passo mal com a medicação.
Tive uma reação ao componente do Reuquinol 400, um acúmulo residual nos olhos provocando uma cegueira e uma enorme dor e sensibilidade a luz. Tudo passou com a suspensão da medicação e o acompanhamento do oftalmologista.
Assim como muitos estou iniciando uma nova vida de aprendizado e busca de bem estar com a vida lupídica.

Egles

elisabete beti disse...

Estou na fazê da descoberta , soube hoje no momento só tenho isso a dizer é que realmente o material aqui disponível é otimo.