sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

LÚPUS E SÍNDROME ANTIFOSFOLIPÍDICA - SAF (II)

O que fazer quando o teste de anticardiolipina e/ou de
anticoagulante lúpico forem positivos?
Todos os pacientes com LES devem fazer a pesquisa de anticorpos
antifosfolípides. Os pacientes com estes anticorpos
positivos devem saber que têm risco aumentado de ter trombose e
complicações na gravidez, principalmente nos que tem altos títulos
de antifosfolipides. Nestes casos, pode ser prescrito o uso de aspirina
em dose baixa, por tempo prolongado. O controle de outros fatores
que também aumentam o risco de trombose é essencial nestes
pacientes. Os outros fatores de risco para trombose vascular são:
hábito de fumar, o uso de pílulas anticoncepcionais (pílula contendo
estrógenos), hipertensão arterial e a imobilização prolongada,
como observada em viagens longas (mais de 6 horas), em pacientes
acamados e nos pacientes que devido a fratura, estão imobilizados
com gesso. Estes pacientes devem receber orientação para parar de
fumar, movimentar os membros dos pacientes acamados e durante
as viagens prolongadas. Além disso, nos casos com imobilização
prolongada, pode ser necessária a aplicação de injeções subcutâneas
de heparina para reduzir o risco de trombose.

Como deve ser o tratamento de pacientes que têm anticorpos
antifosfolípidios e já tiveram trombose?

Todo paciente com trombose vascular deve ser tratado com medicação
que diminuem a coagulação. Inicialmente o tratamento
é feito com medicamento aplicado na veia ou no subcutâneo, chamado
heparina. Posteriormente é substituído por medicação oral
chamado anticoagulante oral (no mercado temos dois remédios: o
Marevan® e o Coumadin®). Estes remédios agem diminuindo a
ação da vitamina K, que é uma vitamina muito importante para a
coagulação do sangue. Assim, o uso de anticoagulantes orais difi -
culta a coagulação do sangue, e, deve ser tomado pelo resto da vida
para prevenir outras tromboses. Caso o medicamento seja utilizado
em excesso, corre-se o risco do paciente ter sangramento, por isso
é muito importante que a dose do medicamento seja controlada
através de exames de sangue, chamado atividade de protrombina.
Este exame deve ser feito periodicamente para manter os níveis de
anticoagulante dentro do ideal. Recomenda-se que o medicamento
seja tomado no período da manhã, sempre na mesma hora e que o
exame de sangue seja feito antes do uso da medicação.

Quais os cuidados que o paciente que usa anticoagulante
deve ter?
Quando se utiliza medicação anticoagulante oral, o paciente
deve estar atento para o uso de outros remédios e para o
consumo de certos alimentos, pois alguns remédios interferem na
ação do anticoagulante oral, podendo aumentar a ação, correndo
o risco de sangramento, ou, diminuir sua ação e causando risco de
trombose. Recomenda-se que avise o médico de que está em uso
de anticoagulante oral quando for feita receita de outro medicamento.
Além disso, o consumo de alimentos ricos em vitamina K
(por exemplo: folhas verde-escuras como couve, agrião, espinafre
e brócolis; repolho, chá verde, fígado e óleos de soja e de canola)
diminuem o efeito do anticoagulante oral, aumentando o risco de
trombose. Estes alimentos devem ser consumidos em pequenas
quantidades diárias, sem grandes variações, para não atrapalhar no
controle da dose do anticoagulante oral.
O paciente que usa anticoagulante deve sempre estar atento aos
sinais de sangramento, como: manchas roxas pelo corpo, sangramento
nasal, gengival ou até excesso de sangramento menstrual.
Nesses casos, pode ser que o sangue esteja muito anticoagulado.
Nestes casos, o paciente deve procurar seu médico ou o pronto-socorro
imediatamente para fazer o exame da atividade de protrombina
e acertar a dose do medicamento.

Qual o tratamento da gestante com síndrome antifosfolípide?
Como os anticoagulante orais podem causar má-formação nos
fetos, assim que houver suspeita de gravidez, deve-se suspender
a medicação oral e passar para injeções subcutâneas de heparina.
Nas mulheres que nunca tiveram trombose, mas que tiveram
problemas na gravidez tratamento com aspirina em baixas doses e
heparina por via subcutânea durante a gestação e até um mês após
o parto deve ser feita para previnir novos problemas. Recomendase
que toda grávida que recebe heparina deve aumentar a ingestão
de alimentos ricos em cálcio (por exemplo: leite e derivados do
leite, além de peixes) e tomar suplementos de cálcio e vitamina D,
pois este medicamento favorece a perda da massa óssea da mãe e
do feto.

5 comentários:

Polêmica disse...

Olha só, agora fiquei fazendo mais um pouquinho sobre Lúpus, agora sei que pode causar trombose, mais um motivo para as pessoas pararem de fumar, principalmente as portadoras de lupus.

Beijão!

patricia disse...

OI TD BEM?
TIVE 3 ABORTOS , E SÓ AGORA A MÉDICA ME PEDIU UM TESTE ANTICARDIOLIPINA Q DEU IGG POSITIVO , ISSO QUER DIZER Q TENHO LÚPUS? QUAIS AS COMPLICAÇÕES DESSA SINDROME (ANTIFOSFOLIPIDICA E LUPUS ASSOCIADAS) SERÁ Q PODE ME AJUDAR. DESDE JÁ AGRADEÇO.
BJS PATRICIA

Amanda disse...

SÓ DESCOBRÍ QUE TNHA A SÍNDROME DURANTE A GESTAÇÃO. TIVE UM BEBÊ MUITO PREMATURO E NUNCA MAIS TIVE NENHUM SINTOMA DA PATOLOGIA. ISSO É NORMAL? COMO POSSO ME PREVINIR PARA EVITAR PROBLEMAS FUTUROS? OBRIGADA
BEIJOS!!!
amandasoph@yahoo.com.br

Anônimo disse...

Descobri que tenho SAF, porém não sei quando é necessário procurar um PS,caso seja necessario.A Hematologista só informou que deveria ter cuidado com cortes,etc,porem não me imagino em uma ocorrência grave a qual precise de socorro imediato.

Anônimo disse...

Descobri que tenho SAF, porém não sei quando é necessário procurar um PS,caso seja necessario.A Hematologista só informou que deveria ter cuidado com cortes,etc,porem não me imagino em uma ocorrência grave a qual precise de socorro imediato.