quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

LÚPUS E FIBROMIALGIA II

FIBROMIALGIA - Segunda Parte
Diagnóstico e Tratamento
Somente o reumatologista poderá firmar o diagnóstico preciso da Fibromialgia. As dores generalizadas devem ter mais de três meses de duração, deve existir dor à palpação em 11 dos 18 tender points: inserção dos músculos occipitais, trapézio, acima da borda medial da espinha da escápula, quadrantes externos superiores das nádegas, proeminências dos trocânteres maiores (fêmur); cervical baixa, segunda junção costocondral, a 2cm distal ao epicôndilo (cotovelo), coxim adiposo medial e proximal à linha articular do joelho.

Geralmente acomete pessoas com personalidade perfeccionista podendo causar dor de cabeça, insônia e diminuição do humor. Estes sintomas podem confundir com polimialgia reumática (VHS aumenta), dermatomiosite, hipotireoidismo e espondilite anquilosante.

Essas informações não são completas, visam somente instruir o paciente em alguns pontos mais importantes, devendo o paciente consultar seu reumatologista periodicamente e ler a bula dos medicamentos que toma.

Qual a melhor forma de tratamento?
No tratamento, devem ser usados analgésicos; não parece haver vantagem no uso de anti-inflamatórios ou cortisona em caráter permanente.
São drogas obrigatórias os antidepressivos tricíclicos (principalmente amitriptilina e ciclobenzaprina)que agem sobre a serotonina no cérebro e têm efeito analgésico no sistema nervoso central.

Condicionamento muscular orientado por conhecedores da doença e seu entendimento pelos pacientes são indispensáveis. Pacientes com manifestações psiquiátricas mais intensas devem ter atendimento especializado.

Dado o impacto da fibromialgia na qualidade de vida dos pacientes, o pesquisador Luiz Paulo Marques de Souza conduziu um estudo sobre os efeitos de técnicas de relaxamento em pacientes com fibromialgia, realizado no Instituto de Ortopedia do Hospital das Clínicas, da Faculdade de Medicina da USP.

A pesquisa com o título “A utilização de técnicas de relaxamento no acompanhamento de pacientes com fibromialgia”, foi vencedora da categoria dor crônica, no Prêmio de Incentivo à Pesquisa em dor aguda e dor crônica Anador, e avaliou duas diferentes técnicas de relaxamento: o Método de Jacobson, também conhecido com Relaxamento Muscular Progressivo, e a técnica de visualização dirigida.

Alguns estudos laboratoriais demonstram que no paciente com fibromialgia, a serotonina – substância analgésica que proporciona dentre outras coisas o controle da dor - é reduzida. Portanto, é necessário que essa substância seja produzida ou captada pelo sistema nervoso central por meio de medicamentos, ou meios coadjuvantes, como acupuntura, exercícios físicos ou, como no caso da pesquisa, de técnicas de relaxamento.

No Método de Jacobson, no momento em que tensiona os músculos, o indivíduo sente um incômodo, que pode aumentar o fenômeno doloroso. A tensão, no entanto, funciona como um exercício físico e, após a descontração muscular, acredita-se que o cérebro passe a produzir substâncias como a serotonina, fazendo com que o indivíduo obtenha uma resposta de alívio. A técnica favorece também a regulação do tônus muscular, liberando-se a energia, até então ocupada por um dinamismo corporal alterado e caracterizado por bloqueios musculares.

Já a técnica da Visualização Dirigida, faz com o paciente pratique exercícios tranqüilizadores, de forma que a imaginação conduza a um estado de relaxamento. O indivíduo muda o foco de atenção, que é a dor, para outro que, no caso da pesquisa, era uma sensação imaginária que massageia o corpo. Por meio de imagens e sons agradáveis, o organismo cria meios para conseguir o alívio do corpo, ativando o chamado “Circuito de Reforço e Gratificação”, responsável pela intermediação dos efeitos prazerosos, como por exemplo, recordações ou músicas de nossa preferência. A ação terapêutica de se buscar sensações agradáveis pode proporcionar mudanças favoráveis no humor e percepção corporal, alterando a disponibilidade de neurotransmissores, em especial, no caso da dor, a serotonina e a dopamina.

A maioria das pessoas, 88,2% no grupo de relaxamento e 82,3% do grupo de visualização, referiu sentir bem-estar após o exercício. Para um tratamento bem sucedido, é necessário que terapeuta esteja familiarizado com as técnicas e tenha formação acadêmica na área de saúde. É importante lembrar que, em nenhum momento, estas técnicas substituem o tratamento medicamentoso, sendo necessários critérios na escolha da técnica. (Continua...)

2 comentários:

direitinho disse...

Boa Noite
Escreve muito bem e gostei do modo como falou da sua família. Lindo. Para mim a famíla é a base de tudo.
Sem famíla não há nada. Basta ver os sem abrigo e os marginalizados. Se algum dia tiveram família perderam-na ou trocaram por outros motivos menos bons. (a minha opinião)
Aqui tambem somos uma família de 4 pessoas.
Casámos em 83 e temos um rapaz = David = e uma Menina =Lia =
Ele tem 24 e ela 22. São tudo quanto algum dia sonhei.
Que Deus os guie e guarde e que nós possamos continuar ajudando-os.
Espero que visite muitas vezes o meu blogue e que faça comentários positivos. Vivemos e aprendemos uns com os outros.
Já sabe tem a porta aberta para quando quiser entrar e ficar com o pouco que sei dar. Não são cópias.
São criações do meu dia a dia e factos passados aqui em casa.

João Videira Santos disse...

Considero o seu blog de extrema importância.

Agradeço a visita e comentários que faz ao meu blog.

Com simpatia e não só, retribuo referindo o link do seu blog no meu, considerando a utilidade da informação que presta à comunidade sobre a lúpus.

Beijo