quarta-feira, 25 de novembro de 2009

OBESIDADE

OBESIDADE

O que é?
Denomina-se obesidade uma enfermidade caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal, associada a problemas de saúde, ou seja, que traz prejuízos à saúde do indivíduo.

Como se desenvolve ou se adquire?
Nas diversas etapas do seu desenvolvimento, o organismo humano é o resultado de diferentes interações entre o seu patrimônio genético (herdado de seus pais e familiares), o ambiente sócioeconômico, cultural e educativo e o seu ambiente individual e familiar. Assim, uma determinada pessoa apresenta diversas características peculiares que a distinguem, especialmente em sua saúde e nutrição.

A obesidade é o resultado de diversas dessas interações, nas quais chamam a atenção os aspectos genéticos, ambientais e comportamentais. Assim, filhos com ambos os pais obesos apresentam alto risco de obesidade, bem como determinadas mudanças sociais estimulam o aumento de peso em todo um grupo de pessoas. Recentemente, vem se acrescentando uma série de conhecimentos científicos referentes aos diversos mecanismos pelos quais se ganha peso, demonstrando cada vez mais que essa situação se associa, na maioria das vezes, com diversos fatores.

Independente da importância dessas diversas causas, o ganho de peso está sempre associado a um aumento da ingesta alimentar e a uma redução do gasto energético correspondente a essa ingesta. O aumento da ingesta pode ser decorrente da quantidade de alimentos ingeridos ou de modificações de sua qualidade, resultando numa ingesta calórica total aumentada. O gasto energético, por sua vez, pode estar associado a características genéticas ou ser dependente de uma série de fatores clínicos e endócrinos, incluindo doenças nas quais a obesidade é decorrente de distúrbios hormonais.

O que se sente?
O excesso de gordura corporal não provoca sinais e sintomas diretos, salvo quando atinge valores extremos. Independente da severidade, o paciente apresenta importantes limitações estéticas, acentuadas pelo padrão atual de beleza, que exige um peso corporal até menor do que o aceitável como normal.

Pacientes obesos apresentam limitações de movimento, tendem a ser contaminados com fungos e outras infecções de pele em suas dobras de gordura, com diversas complicações, podendo ser algumas vezes graves. Além disso, sobrecarregam sua coluna e membros inferiores, apresentando a longo prazo degenerações (artroses) de articulações da coluna, quadril, joelhos e tornozelos, além de doença varicosa superficial e profunda (varizes) com úlceras de repetição e erisipela.

A obesidade é fator de risco para uma série de doenças ou distúrbios que podem ser:
- Doenças Distúrbios
- Hipertensão arterial Distúrbios lipídicos
- Doenças cardiovasculares Hipercolesterolemia
- Doenças cérebro-vasculares Diminuição de HDL ("colesterol bom")
- Diabetes Mellitus tipo II Aumento da insulina
- Câncer Intolerância à glicose
- Osteoartrite Distúrbios menstruais/Infertilidade
- Coledocolitíase Apnéia do sono

Assim, pacientes obesos apresentam severo risco para uma série de doenças e distúrbios, o que faz com que tenham uma diminuição muito importante da sua expectativa de vida, principalmente quando são portadores de obesidade mórbida (ver a seguir). (Continua...)

Um comentário:

direitinho disse...

Olá Eidina bom dia
Por aqui tudo bem. Tenho lido os seus postes que estão muito bem conseguidos e podem ser lidos por todos.
Este chamou-me mais a atenção e não resisto a comentar.
As razões que aponta nem sempre são as reais. Muitos tem boa cama e boa mesa e são pessoas equilibradas. Conseguem apenas ingerir só aquilo que o organismo precisa, mas ainda há o factor da idade em que nós nos movimentamos menos e acumulamos mais gordura.
Desde 2002 que deixei o tabaco, café e bebidas alcoólicas e até 2007 engordei 22 quilos, comendo as mesmas coisas.
Hoje estou a recuperar um peso onde me sinta bem e com mais qualidade de vida.
Continuo comendo as mesmas coisas, mas fazendo mais exercício.
Não quero morrer com um físico de vinte anos, nem com um corpo de um buda. É preciso cuidar bem da alimentação e fazer exercícios.
Vê-se por aí muitas pessoas que passam fome sem razão.
Comer não quer dizer ficar atestado com comida até aos olhos.
Parece-me sobretudo que é preciso saber viver.........
Bijos de carinho