quinta-feira, 11 de março de 2010

GRIPE INFLUENZA - H1N1

GRIPE INFLUENZA A H1N1
Sinônimos: gripe do porco; gripe A

O que é?
É uma doença causada por uma das mutações (geralmente H1N1) do vírus Influenza A. É uma doença respiratória aguda altamente contagiosa, com morbidade alta, contudo, com mortalidade baixa (1-4% segundo dados da OMS) até agora. A maioria dos casos, por enquanto, ocorreram no México, mas, vários casos estão ocorrendo ao redor do mundo. Já nos porcos, a doença é considerada endêmica nos Estados Unidos, e surtos ocorreram na America do Norte e do Sul, Europa, África e partes do leste da Ásia.

Como ocorre?
O vírus se dissemina entre os porcos por aerosol da secreção respiratória destes pelo contato direto ou indireto. Eles podem ser infectados por vírus Influenza das aves, de humanos bem como de Influenza suíno. Os porcos podem ser infectados ao mesmo tempo por mais de um tipo de vírus, o que permite que estes se misturem. A infecção em humanos por Influenza suíno pode ocorrer em casos isolados ou surtos. Esta doença pode surgir após contato da pessoa sadia com porco infectado ou de pessoa sadia com pessoa infectada. No entanto, neste momento não há qualquer confirmacão de transmissão entre porcos e humanos. Assim, como na gripe comum, o contágio entre as pessoas se dá através de gotículas de saliva ao falar, espirrar ou tossir.

O que se sente?
Os sintomas lembram os sintomas da gripe. O individuo afetado pode ter inicio abrupto de febre alta associado à tosse, dores musculares e nas articulacões ("juntas"), dor de cabeça, coriza, garganta inflamada, calafrios e, às vezes, vômitos e diarreia. A doença pode evoluir para falta de ar e insuficiência respiratória.

Como se evita?
Estes casos de gripe suína podem ocorrer em qualquer época do ano. Contudo, tem incidência maior no outono-inverno nas zonas temperadas do globo. Muitos países vacinam rotineiramente as populacões suínas contra este vírus. A Organização Mundial da Saúde (OMS) esta provideciando vacinação para a poplação.
Neste mês de março de 2010 teremos vacinas, aqui no Rio de Janeiro, obrigatoria para todos, inclusive portadores de doenças crônicas.
Não há problemas em ingerir carne de porco ou produtos derivados dela (salame, por exemplo). Para as pessoas que lidam diariamente com porcos, recomenda-se a prática de uma boa higiene, essencial sempre em todo contato com animais, especialmente durante abate, pós-abate e manuseio para prevenir exposição a estes agentes de doença. Animais doentes ou que tenham morrido de doença não devem ser processados nos abatedouros, e as autoridades competentes devem ser informadas sobre quaisquer eventos relevantes.

Para protecão pessoal devem ser utilizadas algumas medidas preventivas:
- evitar contato íntimo com pessoas que não estejam bem e que tenham febre ou tosse;
- lavar as mãos com água e sabão frequentemente e quando necessário;
- manter hábitos saudáveis como se alimentar corretamente, realizar atividades fisicas e manter sono adequado.

Se houver uma pessoa doente na mesma casa:
- deixar um aposento separado para o doente. Se isso não for possível, este deve manter-se a uma distância de 1 metro pelo menos dos outros;
- deve-se cobrir boca e nariz ao entrar em contato com o doente. Máscaras podem ser usadas com esta finalidade e depois dispensadas;
- lavagem de mãos após contato com o doente;
- não compartilhar utensilios como copos, toalhas, alimentos ou objeto de uso pessoal;
- deixar o local onde o doente está bem arejado. Deixar portas e janelas abertas para circular o ar;
- manter os utensílios domésticos limpos;
- O doente deverá também cobrir a boca e nariz com lenço ao tossir e espirrar. A lavagem de mãos deve frequente e, principalmente, após tossir ou espirrar será importante para prevenir o contágio de outras pessoas. Por essa mesma razão, durante a doença, recomende familiares e amigos para que não visite o doente.

As pessoas devem se manter atualizadas sobre o problema através de boletins da OMS.


Como se trata?
A maioria dos casos de gripe suína se recuperam completamente da doença sem a necessidade de suporte hospitalar ou de antivirais. Alguns casos ocorridos nos Estados Unidos de gripe suína em humanos foram sensíveis ao uso de oseltamivir e zanamivir, mas, resistentes à amantadina e remantadina. Ou seja, estes últimos não foram eficazes. Entretanto, ainda não existem informações suficientes que recomendem o uso rotineiro de antivirais nos casos de gripe suína. Há relatos de depósitos destes antivirais pelo governo em caso de necessidade e vários laboratórios da Europa e da America do Norte têm permissão para produção de tais medicações. Existem relatos de sucesso usando oseltamivir em tempo hábil (dentro de 48h após início dos sintomas) mesmo em casos graves. O doente deverá ficar em casa, afastado do trabalho ou escola e evitar locais com acúmulo de pessoas durante a doença. Repouso e manter boa hidratacão também será importante durante sua recuperação.

Como o médico faz o diagnóstico?
A suspeita é feita naquelas pessoas com quadro de sinais e sintomas compatíveis. Nestes casos deverão serão coletados um aspirado nasofaríngeo através de kit específico disponíveis em locais que atendam casos suspeitos

6 comentários:

Tony Madureira disse...

Olá,
Como estás?

passei só para saber como estava.

Bom fim de semana.

Bjs

Ministério da saúde disse...

Cara Êidina,

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza H1N1 já começou. Vamos vacinar trabalhadores de saúde, população indígena, doentes crônicos, jovens saudáveis de 20 a 39 anos, além de crianças maiores de seis meses a menores de dois anos. Precisamos vacinar 91 milhões de pessoas e, para isso, contamos com a sua ajuda. Preparamos diversos materiais que podem ser usados em seu blog para ajudar o Brasil nessa tarefa tão importante.
Para mais informações sobre como se tornar um parceiro, escreva para fernanda.scavacini@saude.gov.br .

Atenciosamente,
Ministério da Saúde

Eliana Vargas Martins prof. disse...

Na verdade não é um comentário,mas uma dúvida:a vacina tem validade de quanto tempo?

Eliana Vargas Martins prof. disse...

A vacina da gripe A é unica ou precisamos tomá-la todos os anos?

Ministério disse...

Eliana Vargas,
Somente se houver uma mutação do vírus que será necessária a revacinação.

Att,
Ministério da Saúde
fernanda.scavacini@saude.gov.br

Ministério da saúde disse...

Eliana,
A vacina garante imunidade ao vírus de forma permanente. No entanto se o vírus sofrer mutação, a pessoa precisa ser vacinada novamente.
O vírus é monitorado em todo o mundo e os resultados destes trabalhos são entregues a Organização Mundial de Saúde. Até o momento não houve indícios de mutações que possam comprometer a eficácia da vacina.

Mais informações:
fernanda.scavacini@saude.gov.br

Atenciosamente,
Ministério da Saúde